sábado, 16 de outubro de 2021

PRESIDENTE DO SINTEAC COBRA MAIS VALORIZAÇÃO DA CATEGORIA


A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac) Rosana Nascimento, contestou o discurso do governador Gladson Cameli de valorizar a categoria da educação como foi divulgado pela imprensa nos últimos dias. Esclareceu que a doação do valor para aquisição do computador e o pacote de internet na data alusiva ao Dia do Professor, foi fruto da luta dos trabalhadores em educação (professores e funcionários de escola) que deflagraram uma greve no primeiro semestre deste ano, por discordar de continuar trabalhando com o ensino remoto usando os recursos do seu próprio bolso.

A sindicalista disse que os professores são responsáveis pelo processo de transformação da sociedade, mesmo que não tenham esse reconhecimento das autoridades e de parte da população. Destacou a necessidade da sociedade acreana reconhecer o papel dos trabalhadores em educação que tiveram de se reinventar durante a pandemia para não deixar as crianças e adolescentes sem aulas. “Temos que valorizar os professores, porque todos os profissionais do setor público e privado tiveram de passar por um banco de escola antes de chegar onde chegou”, declarou Rosana Nascimento.

O acordo judicial que pôs fim ao movimento grevista garantiu o pagamento do auxílio alimentação em janeiro de 2022, a reposição inflacionária de 2020 a 2021, inclusive a possibilidade de reposição das perdas inflacionárias e revisão das distorções das tabelas do Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações (PCCR). Cerca de 4.910 professores (efetivos e temporários) receberam na sua conta bancária a quantia de R$ 4,5 mil e mais R$ 300,00 correspondente a três parcelas do pagamento retroativo da internet dos meses de julho, agosto e setembro deste ano.

O professor, para solicitar o auxílio deve acessar o endereço auxilio.see.ac.gov.br, com o seu login e senha do contracheque, para que possa ser contemplado no próximo lote previsto para encerrar até dia 30 de novembro deste ano. Esse montante será destinado a aquisição de um notebook e o pacote de internet para os professores que aderiram ao programa de Inovação Educação Conectada.

EDUCADORES DE TARAUACÁ EXIGEM RESPEITO!!!


Horas após um grande ato de protesto realizado nesta sexta última, pelos trabalhadores em educação de Tarauacá, aquilo que poderia servir para sensibilizar a Gestão Municipal sobre as reivindicações da categoria, que está de greve já a quase 2 semanas, parece que despertou a ira de alguns membros da gestão municipal, de apoiadores e puxa saco, onde alguns chegaram a intitular os professores e trabalhadores em educação de preguiçosos, desocupados, descompromissados etc...

No entanto, o que causou maior indignação e não queremos, e nos recusamos a acreditar que em postagem na sua página social a prefeita tenha se dirigido aos professores e trabalhadores em educação, e ainda aos estudantes e pais que estavam na carreata promovida pelo Sinteac.

Citando passagem bíblica a prefeita escreveu no seu Instagram: provérbios 12:24,27 "As mãos zelosas e dedicadas governarão, mas os preguiçosos acabarão sendo forçados a trabalhar"... uma seguidora, comentou: “verdade, gente que não têm compromisso com povo"... A prefeita completou: “verdade".

Isso tudo se deu no dia (15/10) data em que se comemora o dia do professor, logo após uma passeata da categoria, que está em greve a 2 semanas, os trabalhadores em educação ocuparam as ruas de Tarauacá, e realizaram um ato público em frente a prefeitura, entoaram palavras de ordem, e pediram respeito, vestidos de preto, simbolizando luto contra a intransigência nas negociações salariais e contra a decisão da justiça em atender o pedido da prefeitura de paralisar a greve da categoria.

Provérbios 29, versículos 2 e 4: "Quando o governo é formado de homens justos e honestos, o povo vive feliz; mas, quando os líderes de uma nação são maus e desonestos, o povo chora de tristeza"

Sinteac – Tarauacá.

sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Educadores do Acre recebem recurso para compra de notebook


Neste 15 de outubro, data conhecida oficialmente como o Dia do Professor, o governo do Acre depositou na conta de 4.910 professores que fizeram a adesão ao programa de Inovação Educação Conectada até o dia 6 de outubro, o montante de R$ 23.544.000,00. A Educação foi uma das áreas fortemente impactadas pela pandemia causada pelo novo coronavírus desde março de 2020, quando as aulas foram paralisadas e as escolas, naquele primeiro momento, fechadas completamente.

“Professores e alunos tiveram que se adaptar a essa realidade de ensino remoto. Por esse grande esforço, nosso governo reconhece e valoriza esses profissionais”, ressalta o governador Gladson Cameli.

No mês de setembro, o governo publicou decreto regulamentando o programa de Inovação Educação Conectada, que determina o repasse de um auxílio financeiro para aquisição de notebook e pagamento de internet aos professores em efetivo exercício da docência e equipes gestoras das escolas. O valor para cada professor é de R$ 4,5 mil e mais R$ 300 referente a três parcelas para pagamento de internet (julho, agosto e setembro).

Segundo a secretária de Educação, Socorro Neri, garantir notebooks e internet para os professores e equipe gestora das escolas estaduais, representa um avanço extraordinário na inovação da educação básica do estado, por meio da inserção da tecnologia nos processos de ensino-aprendizagem.

“É um suporte imprescindível no processo de reinvenção da escola imposto pela pandemia da Covid-19. Aliado a essa ação, serão disponibilizados também uma plataforma digital e chromebooks para uso dos estudantes”, destaca a secretária.

Para solicitar o auxílio, o professor deve acessar o endereço auxilio.see.ac.gov.br e utilizar o mesmo login e senha do contracheque. Após a análise das informações, se for considerado apto, será incluído em um novo lote para pagamento. O prazo para solicitação se encerra no dia 30 de novembro.

Com informações da Agência de Notícias do Acre.

Zequinha Lima anuncia novo abono de mil reais para professores de Cruzeiro do Sul


Em evento comemorativo pelo Dia do Professor, no Teatro dos Nauas, o prefeito de Cruzeiro do Sul, Zequinha Lima, anunciou nesta sexta-feira, 15, abono salarial de R$ 1 mil para a categoria. Em maio, o gestor havia concedido abono de R$ 1 mil.

“No início da gestão o salário inicial do professor efetivo era de R$ 1.898,20, do professor provisório saímos de R$ 1.200, e já no processo seletivo aumentou 500 reais, passando R$1.700, com abono subiu para R$ 2.700, e o efetivo para cerca de R$ 2.800. Com este novo abono, os rendimentos totais irão ficar em torno de R$ 3.800”, explicou o prefeito, destacando a continuidade da política de valorização dos professores implementada desde o início da gestão.

O novo abono será concedido para os meses de outubro, novembro e dezembro.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação, Sinteac, Pedro Correia, agradeceu em nome da categoria. “Só temos a agradecer ao prefeito que tem tido esse olhar carinhoso para com os professores. Isso é o que queremos: uma gestão com esse olhar voltado para a categoria”.

A concessão do abono corresponde ao período de volta às aulas presenciais, para qual as escolas tiveram de se preparar. “Muitas adaptações foram feitas, e graças à capacidade dos professores e o investimento da gestão, esta volta às aulas está sendo tranquilo, quando imaginei que seria turbulento”, disse no evento o presidente do Conselho de Gestores municipais, Romário Rodrigues.

O presidente também elogiou o empenho e a criatividade dos professores que tiveram de se adaptar para o ensino à distância durante a pandemia.
Estender abono para outras categorias

O objetivo segundo o prefeito Zequinha Lima é estender esta valorização profissional a todas as categorias de servidores, na medida do orçamento de cada pasta e dos princípios da legalidade na administração pública, o que nesse momento, tem sido possível para os professores. “Aquilo que antes era um fato de desmotivação, um tormento pela falta de estímulo para se trabalhar na rede municipal, hoje é o principal estímulo e motivação. Hoje o professor se orgulha de trabalhar na rede municipal”, concluiu o prefeito.

No AC, professora cede espaço em casa para que ex-aluna da Zona Rural inicie os estudos na Ufac





Nesta sexta-feira (15), onde se comemora o Dia do Professor, conheça a história de uma educadora aposentada que se afeiçoou por uma estudante ainda quando dava aulas na Zona Rural e que, atualmente, com o intuito de ajudar, resolveu abrigá-la em sua residência para que ela pudesse iniciar o ensino superior

Uma história que começou em meados de 2008, na escola Major João Câncio, no KM-80 da Transacreana, se entrelaçou de uma forma ainda mais intensa em meados de 2021. A professora aposentada Raimunda Bessa, de 55 anos, que conheceu a estudante Katrine Alves, de 19 anos, no dia a dia escolar da Zona Rural, hoje cede espaço à jovem em sua residência para que ela possa realizar o sonho de cursar Letras Inglês na Universidade Federal do Acre (Ufac).

Segundo a professora, que se aposentou aos 50 anos, a afeição pela menina foi à primeira vista. Mesmo retornando à cidade tempos depois, e mesmo com a mudança de Katrine para Porto Velho (RO), Raimunda relatou que nunca perdeu o contato com ela e nem com a família.

“Os alunos de zona rural têm um carinho muito grande pela gente, a comunidade nos recebe com muito amor, eu gostei demais de trabalhar lá. No dia a dia escolar, reparei nela, que sempre ficava quietinha no canto dela, e me encantei no sentido de ajudar. Ela adorava ler, estudar. Toda semana eu levava alguma coisinha pra ela”, falou.

INCENTIVO

A distância entre as duas, que se intensificou ainda mais em decorrência da pandemia de Covid-19, não foi nenhum empecilho frente ao carinho que ambas compartilhavam entre si. Com a chegada do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a chuva de motivações advinda por parte da família de dona Raimunda fez com que Katrine acreditasse que teria potencial de enfrentar a prova, mesmo diante de um ano tão difícil, marcado pelos desdobramentos da crise sanitária, e mesmo pensando em desistir de comparecer ao segundo dia de aplicação.

“Ela foi fazer o (primeiro dia do) Enem, e ficava me falando ‘madrinha, eu acho que não vou passar’, mas aí todo mundo da família deu forças para ela continuar dizendo que ela iria ganhar experiência. Acabou dando certo, e ela foi. Quando saiu as notas, ela me mandou e minha sobrinha conferiu para ver em qual curso ela poderia entrar”, pontuou a professora.

Até que chegou o tão esperado dia: Katrine conseguiu a vaga para cursar Letras – Inglês na Ufac. Foi só alegria. No entanto, como ela ainda estava morando em Porto Velho com a mãe, e como a Universidade de Rondônia não aceita notas do Enem, a professora vestiu o papel de “madrinha”, forma a que a estudante a chama até hoje, e cedeu um espaço na casa para que ela pudesse ficar despreocupada quanto à moradia.

“Eu fiquei muito feliz, é um sentimento muito gratificante. Eu decidi ajudar com muito amor e carinho, como ajudaria outras pessoas. Várias pessoas já passaram aqui pela minha casa, já acolhemos uma moça que hoje é enfermeira […] e em termos desta minha aluna, depende muito do ‘querer’. Quando eu vi que ela queria (continuar com os estudos), então percebi que aquela era a oportunidade de fazer com que aquela jovem vencesse na vida, de ser uma pessoa bem sucedida. Me sinto maravilhada de poder ajudá-la. Para mim, a educação é isto: é o professor estar perto do aluno, descobrir as necessidades do aluno, incentivá-lo a estudar”, complementou.

GRATIDÃO

Mesmo tímida, Katrine também conversou com a reportagem do ContilNet e disse que não consegue mensurar o carinho que sente por dona Raimunda e por ela sempre ter acreditado em seu potencial. “Meu sentimento é de gratidão eterna, sou muito grata por tudo, por toda a ajuda que ela tem me dado”.

A jovem, que já está alocada na casa da professora, contou que o caminho para chegar à aprovação foi bastante árduo, visto às dificuldades com conectividade e com material de estudo, mas que está bastante ansiosa para o início das aulas, previstas para começar na próxima segunda-feira (20).

“Vou começar dia 20, estou um pouco nervosa, mas ansiosa pra começar logo às aulas. Gosto muito de inglês, de ler, e as expectativas estão lá em cima para começar (de modo) presencial”.

Sobre a lição a que tirou em tantos anos de sala de aula, Raimunda finalizou dizendo que “é uma profissão árdua porque é complicado lidar com 40 crianças em sala, com a baixa remuneração salarial, alguns estudantes com dificuldade maior de aprendizagem, mas é muito gratificante ver os alunos que alfabetizamos, virando pessoas bem sucedidas na vida”.



POR RENATO MENEZES, PARA CONTILNET

Acre ocupa o 12º posto no ranking de salários de todo o país para educadores, mostra pesquisa


A plataforma Catho divulgou hoje, 15 de outubro, Dia do Professor, um levantamento com as médias salariais pagas aos professores de todo o país.

De acordo com o estudo a média salarial no país varia de R$ 1.700 a R$ 5 mil.

Além das médias salariais, foi divulgado também o ranking pago por cada estado. Segundo o levantamento, o Acre ocupa a 12ª posição entre as melhores remunerações entre os professores, com uma média salarial em torno de R$ 3.386,51. Na Região Norte, o Acre fica na frente apenas do Amazonas (R$ 2.960,57) e Amapá (R$ 2.078,36).

O levantamento aponta que a maior média de remuneração atualmente são o Distrito Federal (R$ 5.167,64), Pará (R$ 4.341,34) e Maranhão (R$ 4.223,44).

Já os três piores são o Rio Grande do Norte, que é o estado que oferece a menor remuneração para os educadores, com uma média de R$ 1.798,51, Amapá com R$ 2.078,36 e Ceará com R$ 2.496,07.

Na divisão por especialidade, os professores de ensino superior são os que recebem salário acima da média: até R$ 7.130,89. Os educadores do ensino médio vêm logo depois, com ofertas de salários de R$ 3.861,64 para práticas pedagógicas e de R$ 3.749,40 para o ensino de línguas estrangeiras.

Já os que atuam no ensino fundamental recebem entre R$ 2.941,3 e R$ 3.035,21 para ensinar educação física e matérias regulares, respectivamente.

Com informações do G1.

Pandemia faz pais entenderem melhor desafios do professor, diz estudo


Levantamento do Datafolha, conseguido com exclusividade pelo Jornal Hoje, mostra que 89% dos pais entrevistados se disseram impressionados com o caráter desafiador da profissão e com o nível de preparo que ela exige.

Pandemia faz pais entenderem melhor desafios do professor, diz estudo

O Dia do Professor é comemorado nesta sexta-feira (15) e o Jornal Hoje mostra, com exclusividade, um levantamento do Datafolha, feito a pedido do Itaú Social, Fundação Lemman e do Banco Intermericano de Desenvolvimento.

Segundo a pesquisa, a pandemia fez pais entenderem melhor desafios do professor:

89% dos pais entrevistados se disseram impressionados com o caráter desafiador da profissão e com o nível de preparo que ela exige;
67% sentem que os filhos passaram a respeitar mais os professores depois da pandemia;
73% dos pais responderam que o principal apoio para a volta às aulas presenciais veio do contato com os professores.



O levantamento foi feito pela Pesquisa Datafolha — Foto: TV Glbo/Reprodução

Tânia Azevedo, professora de espanhol em uma escola pública na Zona Sul de São Paulo, passou um ano e meio preparando e dando aulas em escritório montado às pressas no corredor de casa.

“Os alunos, por exemplo, não estavam acostumados com esse ensino remoto, né? Então, foi difícil. No começo, tivemos que fazer grupos pelo WhatsApp, comunicar os pais, os alunos. Teve a questão do acesso à internet que foi muito difícil”, relembra.

Muitos pais acabaram acompanhando as aulas e testemunhando a dificuldade dos filhos e dos professores com o ensino à distância. Como Elaine Cristina Honório, que tem quatro filhos em idade escolar.

“Deram coisas novas para eles, então da escola deles, os professores faziam essa parte. Essa parte de estar entrando em contato, de estar explicando, de estar conversando comigo também para que eu pudesse estar auxiliando meus filhos em casa”, conta.

89% dos pais entrevistados se disseram impressionados com o caráter desafiador da profissão — Foto: TV Globo/Reprodução

Os estudantes lembram da época do isolamento social e dos momentos de crise. “Várias vezes eu pensei: gente, eu não quero mais fazer isso, eu não sei o que eu quero fazer, porque terceiro ano, prestar vestibular, o que que vou fazer da minha vida, né? E eu tive muito apoio dos meus professores para decidir o que eu queria, aquilo que eu realmente gostava e foi incrível”, fala a estudante Kethlyn Petrim da Costa Brito.

No retorno à escola, teve pai que fez questão de conhecer pessoalmente o professor que via pela internet.

“Eu estou aqui, eu vou estar aqui e quero continuar do jeito que está, próxima dos professores. Porque com isso, meu filho desenvolveu muito e eu quero que ele continue desenvolvendo”, diz Juciara Pereira de Souza, mãe de aluno.

"PROFESSORES LUTAM POR SEUS DIREITOS E NOS ENSINAM A LUTAR" (RAIMUNDO ACCIOLY)


"Comecei a luta sindical muito jovem. Foi uma trajetória de lutas com vitórias e derrotas. Demissões, perseguições, ameaças e até violência física tivemos que enfrentar. Mas, deixamos um legado para as gerações atuais. Lutar até a exaustão pelos seus direitos.

A grande maioria dos trabalhadores em educação da rede municipal atualmente é dessa nova geração.

Jovens professores e professoras que dividem o trabalho com família, as dificuldades e que são os formadores das futuras gerações de cidadãos.

Um aluno, um pai, uma aluna, uma mãe, um cidadão do povo. Todos deveriam se orgulhar e apoiar o movimentos dos nossos mestres. Eles lutam por direitos e isso nos ensina também a lutar.
O poder é passageiro. A luta é constante.
Acionar os trabalhadores na justiça por lutarem por seus direitos não vejo como boa medida da prefeitura.

Só acirra o clima e fomenta a divisão.

Professor voltar pra sala de aula, sem reivindicações atendidas e ainda por ordem da justiça... sei não.
Meu total apoio ao movimento dos trabalhadores em educação de Tarauaca"


Raimundo Accioly

NOTA - DO DEPARTAMENTO JURIDICO DO SINTEAC DE TARAUACÁ, SOBRE A DECISAO JUDICIAL QUE PARALISOU O MOVIMENTO GREVISTA.


A Diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (SINTEAC) – Núcleo de Tarauacá, vem a público externar desapontamento quanto a decisão monocrática do Judiciário Acreano que decretou a ilegalidade da greve dos trabalhadores em educação, sem antes ouvir a outra parte envolvida no conflito.

A Prefeitura de Tarauacá usa de subterfúgio sórdido quando construiu uma narrativa fantasiosa para justificar a necessidade da injustíssima medida, que acabou por violar o direito constitucional da greve dos servidores públicos, decretada depois do fim das rodadas de negociações, que não mais avançaram, pois não foi apresentada qualquer proposta por parte da prefeitura.

Queremos informar que o movimento cumpriu rigorosamente com todos os termos da Lei de Greve e manteve trabalhadores nas atividades consideradas essenciais, conforme decisão da assembleia geral, quando da deflagração da greve.

O edital de convocação, com o aval dos Sindicatos Unificados, foi amplamente divulgado nas redes sociais, enquanto a votação da decisão da categoria de forma expressa e democrática, com significativa maioria.

Comunicamos à nossa categoria que a Assessoria Jurídica do SINTEAC ingressará com recurso (Agravo), oportunidade em que o Desembargador-Relator da ação poderá reavaliar sua decisão liminar.

Entendemos grave a decisão que retira dos servidores da educação seu direito de greve, de forma monocrática, imperando ao Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Acre decida sobre o nosso movimento, que reputamos absolutamente legal, justo e necessário.

Com todo o respeito à decisão do Desembargador-Relator, todavia, dele discordamos, sobretudo, pela acolhida dos argumentos da Prefeitura que, ardilosamente, embasou seu pedido por meio de uma declaração inexistente, na qual tenta induzir a ideia de que SINTEAC, teria se contraposto às orientações da vigilância sanitária.

Outro ponto de desapontamento diz respeito à imposição de multa no valor de R$1.000,00 (um mil reais) por dia, em desfavor do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (SINTEAC), uma vez que sendo a greve um direito do trabalhador representa, também um exercício da democracia, extirpados pela decisão monocrática injusta.

Nossa greve é justa!

Buscamos que a Prefeitura cumpra a lei é que a Prefeitura utilize os recursos da educação para pagar salários dignos.

Nossa luta é para que haja um retorno seguro e dentro das normas de proteção sanitárias, fato que não está sendo atendido pela Prefeitura;

Finalmente, registramos nosso profundo repúdio à providência da Prefeitura de Tarauacá, via Procuradoria Jurídica do Município, em impedir que a voz do trabalhador se levante contra suas arbitrariedades e injustiças sociais.

SINTEAC ENTREGA PREMIAÇÃO DAS MELHORES INICIATIVAS EDUCACIONAIS


A diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac) entregou o prêmio dos vencedores do Concurso Profissionais Inovadores na data alusiva ao Dia do Professor. Foram seis vencedores, sendo três professoras e três funcionárias de escolas que dividiram a premiação de R$3.600,00. A professora de ensino especial Tamyla Cristina Alves de Souza, conquistou o 1º lugar (mil reais); a professora Elizangela de Almeida Moreira, com o 2º lugar (500 reais) e a professora Sheyla Souza, com o 3º lugar (300 reais), enquanto a coordenadora administrativa Alesandra Oliveira de Paula ficou com o 1º lugar (mil reais), Maria Cíntia Nascimento Figueiredo, com o 2º lugar (500 reais) e Macleane Brandão dos Santos Lucas, com o 3º lugar (300 reais).

A educadora relatou o desafio de trabalhar com o ensino remoto durante a pandemia que suspendeu as aulas presencias nas escolas públicas. Como educadora do ensino especial buscava adaptar as aulas ministradas no sistema online para a realidade de cada aluno portador de necessidade especial. “A premiação é gratificante, porque nos sentimos desvalorizados a maior parte do tempo e uma premiação no nosso dia a importância do nosso trabalho na melhoria da educação”, declarou a professora da Escola Boa União, localizada no ramal da Garapeira (Rodovia AC-40).

A coordenadora administrativa da escola infantil Vovó Mocinha Alesandra de Paula, (no conjunto Xavier Maia), ingressou no serviço público como merendeira. Depois de participar da criação do Conselho de Alimentação Escolar, foi estimulada a fez o curso de nível superior de tecnologia em processos escolares do Instituto Federal do Acre (IFAC). Atualmente, contribui com a gestão da escola que trabalha por tantos anos na rede municipal de ensino. “Foi emocionado poder relatar a minha trajetória profissional da cantina a gestão da escola”, comentou.

Valorização - Cerca de 182 trabalhos concorreram ao concurso de valorização profissional dos professores e funcionários de escola da rede pública patrocinados pela entidade sindical. O evento ocorrido na sede do Sinteac contou com a presença da presidente do Sinteac, professora Rosana Nascimento, da vice-presidente Vania Líbio, da secretária- geral Marileide Martins e do diretor de Formação Marcos Cley. A professora Rosana Nascimento, presidente do Sinteac, falou da necessidade da sociedade de reconhecer e valorizar os trabalhadores em educação, porque todos os profissionais do setor público e privado passaram por um banco de escola.

Destacou que o educador é responsável pelo processo de transformação da sociedade, mas espera que a população acreana reconheça o trabalho deste servidor público. “Queremos aproveitar essa data alusiva, para que os professores e professoras se sintam respeitados e reconhecidos pelo nosso sindicato”, declarou a sindicalista.
De acordo com diretor de Formação do Sinteac Marcos Cley, o concurso buscou premiar os professores e funcionários de escola da rede estadual e municipal que apresentaram propostas inovadoras que foram realizadas nos últimos dois anos. Com destaque dos projetos que buscavam oportunizar as novas metodologias e ferramentas de construção do conhecimento, através do ensino remoto que contribuíram para o ensino/aprendizagem. Destacou que coube aos funcionários de escola expor o relato pessoal da sua trajetória de sucesso na sua trajetória profissional que contribuíram para melhoria das condições de trabalho na sua escola. “A Secretaria Municipal de Educação (Seme) deveria ter iniciativa desta natureza voltada para a valorização profissional da nossa categoria”, declarou.







TARAUACÁ: DIA DOS PROFESSORES FOI MARCADO POR PROTESTO NAS RUAS DO MUNÍCIPIO.


Professores, trabalhadores em educação, pais alunos e comunidade escolar de Tarauacá vestiram-se de preto, saíram em carreata nas ruas da cidade, e promoveram na manhã desta sexta-feira (15), uma grande manifestação, para marcar a data em que se comemora o Dia do Professor.

Ao ato foi organizado pelo sindicato da categoria - Sinteac, e se deu em virtude de a prefeitura ter ajuizado ação contra os trabalhadores, pedindo o fim da greve da categoria que já dura em torno de duas semanas, a categoria acatou a liminar da justiça, onde pede o imediato encerramento da greve da educação, sob pena de pagamento de multa diária de R$:1.000 (hum mil reais). A prefeitura alega que o sindicato não seguiu os ritos legais para deflagrar a greve. No entanto, os advogados do sindicato estão recorrendo da decisão, na ansiedade da imediata realização da audiência de conciliação entre ambos, onde terão a oportunidade de apresentar os argumentos.

O presidente do Sinteac professor Lauro Benigno, diz que a principal reivindicação do grupo é pelo pagamento das ações judiciais já transitadas e julgadas pela justiça, além do cumprimento da Lei do piso nacional da educação e pagamento do quinquênio dos servidores.

Lauro destacou ainda, que o ato ocorre também para alertar a prefeitura sobre a necessidade de se cumprir a Lei do Fundeb, onde deve-se gastar 70% dos recursos com trabalhadores em educação, e que a prefeitura não vem cumprindo.

Os trabalhadores em educação de Tarauacá aproveitaram para REPUDIAR a atitude da prefeita de Tarauacá, Maria Lucinéia e da secretária de educação Maria Lucicléia, esta última que também é professora, assim como o esposo da prefeita o deputado e professor Jesus Sérgio, que hoje tem grande influência na gestão do munícipio, onde é visto rotineiramente coordenando as obras e ações na cidade, os mesmo destacam que o dia de hoje que seria um dia de comemorações, será um dia de protestos que irá ficar na história triste de Tarauacá”.

Na história do movimento dos trabalhadores em educação de Tarauacá, já houveram muitos atritos de gestores com trabalhadores, até brigas e demais, mas nunca nenhum gestor tomou essa atitude de enfrentamento e desrespeito querendo desqualificar e perseguindo os trabalhadores, nem mesmo nos tempos mais sombrios do sindicato, estes entraram na justiça para torna o movimento dos trabalhadores ilegal, a gestão de Tarauacá com certeza entrará na história, mas na HISTÓRIA NEGRA DOS GESTORES MUNICIPAIS DE TARAUACÁ. Disse o professor Edson Menezes.

Para a professora Yonara Machado, que disse para a Prefeita e a Secretaria deixar de hipocrisia, deixar de ser fariseu, pediu que a prefeitura pague o que nos deve, não queremos prato de comida, nem jantares, “fazendo alusão há um jantar que a secretaria estar oferecendo no dia de hoje”, queremos o nosso justo salario, tivemos que nos redobrar e nos reinventar nesta pandemia, nosso salário já está sendo todo comido pela inflação, os preços dos produtos lá em cima, e não temos nada de aumento.

Os trabalhadores prometem manter as manifestações, e já está marcado um novo ato, para o dia 28 próximo, data em que se comemora o dia do servidor público.

Sinteac de Tarauacá.






















quinta-feira, 14 de outubro de 2021

COMUNICADO DO SINTEAC DE TARAUACÁ SOBRE A DECISÃO JUDICIAL QUE SUSPENDEU A GREVE DA EDUCAÇÃO.

 

O Sinteac de Tarauacá comunica a todos os trabalhadores em educação da rede municipal, pais e alunos e toda a comunidade escolar, que na tarde desta quarta-feira 13, recebeu liminar da justiça em que a mesma acatou o pedido da prefeitura de Tarauacá, onde pede o imediato encerramento da greve da educação, sob pena de pagamento de multa diária de R$:1.000 (hum mil reais). A prefeitura alega que o sindicato não seguiu os ritos legais para deflagrar a greve, que outrora já dura mais de 1 semana.

Atendendo a máxima de que ordem judicial deve-se cumprir, este decidiu acatar a decisão da justiça. No entanto, nossos advogados estão recorrendo da decisão, na ansiedade da imediata realização da audiência de conciliação entre ambos, onde teremos a oportunidade de apresentar nossos argumentos.

Comunicamos ainda que o ato que estava marcado para esta Sexta-feira 15, feriado do dia dos professores, está mantido. Será a nossa grande CARREATA DA EDUCAÇÃO com saída às 7:30h na sede do sinteac.

Convidamos toda comunidade escolar, professores, diretores, coordenadores, servidores de apoio, vigias, merendeiras, zeladeiras, pais e mães de alunos e todos os estudantes para participarem, venha traga SUA MOTO, SEU CARRO, SUA BICICLETA, VISTA-SE DE PRETO e venha nos apoiar nesse momento difícil.

“AQUELE QUE SERIA UM DIA DE COMEMORAÇÕES, SERÁ UM DIA DE PROTESTOS QUE IRÁ FICAR NA HISTÓRIA TRISTE DE TARAUACÁ”.

Grato! Sinteac de Tarauacá.

Convite para os trabalhadores da educação da rede municipal, pais e alunos. Participe da grande carreata da educação!!!



O Sinteac convida todos os Trabalhadores em Educação da Rede Municipal,  pais, mães, estudantes, para participarem de uma grande carreata, neste dia 15 de outubro Sexta-feira, feriado do dia dos professores. Saída as 7:30h na sede do sinteac.

“Aquele que seria um dia de comemorações, será um dia de protestos que irá ficar na história triste de Tarauacá”.

Traga sua moto, seu carro, sua bicicleta, vista-se de preto e venha nos apoiar nesse momento difícil.

Grato! Sinteac de Tarauacá.

Números dos dez primeiros dias de outubro mostram boa alta nos recursos do Fundeb


Majoração nas verbas do fundo desmonta discurso de prefeitos e governadores sobre reajuste do magistério previsto para janeiro de 2022.

Educação | Devido a uma série de fatores, dentre os quais a retomada da economia e a recuperação de impostos, os recursos do Fundeb distribuídos pelo Banco do Brasil a estados e municípios têm tido um bom crescimento neste 2021, se comparados com o mesmo período do ano passado. Dados disponibilizados por essa instituição financeira relativos aos primeiros dez dias deste mês de outubro mostram essa boa tendência de alta.

Isto desmonta o discurso falacioso e repetido de prefeitos e governadores sobre reajuste previsto de 31,3% para o magistério em janeiro de 2022.

Após o anúncio, veja Tabela Comparativa e confira como o dinheiro do Fundeb sofreu majoração. Apenas um estado teve queda de recursos.


Fundeb - Demonstrativo de Distribuição da Arrecadação - Dez primeiros dias de outubro
Fonte: Banco do Brasil (R$)

Acre
2020: 21.626.069,70 / 2021: 31.834.265,75 +10.208.196,05
Alagoas
2020: 15.781.876,79 / 2021: 24.611.340,24 +8.829.463,45
Amapá
2020: 18.144.620,21 / 2021: 26.202.167,75 +8.057.547,54
Amazonas
2020: 20.726.791,75 / 2021: 29.690.777,35 +8.963.985,6
Bahia
2020: 86.622.950,46 / 2021: 126.452.106,72 +39.829.156,26
Ceará
2020: 32.313.446,01 / 2021: 52.775.294,49 +20.461.848,48
Distrito Federal
2020: 125.541.528,80 / 2021: 169.397.544,74 +43.856.015,94
Espírito Santo
2020: 19.115.472,94 / 2021: 25.839.008,42 +6.723.535,48
Goiás
2020: 175.412.029,71 / 2021: 87.288.359,94 -88.123.69,77
Maranhão
2020: 20.250.590,40 / 2021: 27.191.822,04 +6.941.231,64
Mato Grosso
2020: 42.780.212,41 / 2021: 58.187.369,24 +15.407.156,83
Mato Grosso do Sul
2020: 34.563.557,41 / 2021: 39.618.753,67 +5.551.196,26
Minas Gerais
2020: 150.477.003,71 / 2021: 273.802.757,49 +123.325.753,78
Pará
2020: 46.488.819,65 / 2021: 61.298.725,68 +14.809.906,03
Paraíba
2020: 20.897.223,13 / 2021: 31.157.958,10 +10.260.734,97
Pernambuco
2020: 79.540.340,44 / 2021: 107.612.295,56 +28.071.955,12
Paraná
2020: 81.723.782,52 / 2021: 100.977.446,85 +19.253.684,33
Piauí
2020: 17.453.487,92 / 2021: 27.549.194,40 +10.095.706,48
Rondônia
2020: 26.133.882,90 / 2021: 37.186.216,60 +11.052.333,7
Roraima
2020: 12.694.326,46 / 2021: 20.100.196,20 +7.405.869,74
Rio Grande do Norte
2020: 28.155.088,35 / 2021: 32.850.417,30 +4.695.328,95
Rio Grande do Sul
2020: 64.009.549,41 / 2021: 150.944.270,17 +86.934.720,76
Rio de Janeiro
2020: 55.968.223,18 / 2021: 66.342.973,49 +10.374.750,31
Santa Catarina
2020: 42.577.570,23 / 2021: 46.688.677,34 +4.111.107,11
São Paulo
2020: 341.023.704,58 / 2021: 419.829.946,14 +78.806.241,56
Sergipe
2020: 18.479.137,33 / 2021: 25.473.207,42 +6.994.070,09
Tocantins
2020: 44.051.941,82 / 2021: 56.999.443,02 +12.947.501,2

Ao contrário de Bolsonaro, Gladson afirma que deve sancionar projeto que obriga as escolas a fornecerem absorventes



“Preciso apenas fazer uma análise do impacto financeiro, mas já adianto que vou sancionar por que considero muito válida e importante a proposta”, argumentou o chefe do executivo

O governador Gladson Cameli disse nesta quarta-feira (13), em entrevista exclusiva ao ContilNet, que vai sancionar o Projeto de Lei (PL) aprovado pela Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) que obriga as escolas públicas do Estado a fornecerem absorventes às alunas.

A proposta de autoria do deputado Chico Viga (Podemos) recebeu voto favorável de todos os parlamentares da Casa do Povo. Durante discurso na tribuna, o político disse que o projeto tem o objetivo de “corrigir o retrocesso alcançado referente à dignidade e ao desenvolvimento sadio e harmonioso da criança e do adolescente”.

“Trata-se, portanto, de uma questão de proteção e higiene, além de evitar situações de constrangimento e vexame. Esse projeto visa corrigir o retrocesso alcançado referente à dignidade e ao desenvolvimento sadio e harmonioso da criança e do adolescente, bem como homologar uma nova era onde o respeito e os valores inerentes a pessoa humana sejam integralmente resguardados”, apontou o deputado.

O PL ganhou ainda mais destaque na mídia e nas redes sociais porque foi aprovado em meio às polêmicas envolvendo a decisão do presidente Jair Bolsonaro de vetar a distribuição gratuita dos produtos para estudantes de baixa renda de escolas públicas, mulheres em situação de vulnerabilidade e presidiárias, sob a alegação de que o projeto de origem na Câmara dos Deputados não especifica a fonte de custeio.

Ao contrário do presidente, Gladson diz que vai sancionar o PL.

“Preciso apenas fazer uma análise do impacto financeiro, mas já adianto que vou sancionar por que considero muito válida e importante a proposta”, argumentou o chefe do executivo.


POR EVERTON DAMASCENO, DO CONTILNET