sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

SINTEAC OFERECERÁ ATIVIDADES FÍSICAS DE HIDROGINÁSTICA E GINÁSTICA LOCALIZADA A PARTIR DE FEVEREIRO


A partir do dia 6 de janeiro, associados e associadas ao SINTEAC Núcleo de Tarauacá poderão participar de duas atividades físicas:hidroginástica e ginástica localizada.

Quem tiver interessado(a) em participar, as inscrições já podem ser feitas na nossa sede administrativa no período de 26/01 a 03/02 de segunda a sexta feira nos horários de 9h as 12h e das 14h as 17h.

Para realizar sua inscrição é necessário contracheque atualizado, CPF e RG.

HIDROGINÁSTICA

A hidroginástica é um exercício aeróbico leve que pode ser adotado por todos, independente da faixa etária. O pouquíssimo impacto oferecido e a refrescância da água para os dias mais quentes são apenas os principais motivos para você se sentir tentado a se exercitar nas piscinas. O público varia de gestantes a idosos, e os benefícios da hidroginástica envolvem sistema circulatório, força, controle de peso, articulações e até mesmo reduz a possibilidade de ocorrência de algumas doenças.

Vamos conhecer um pouco mais sobre os benefícios que a hidroginástica pode oferecer à sua saúde e boa forma.

1. Doenças crônicas

Os exercícios feitos nas aulas de hidroginástica podem ajudar as pessoas com problemas como artrite, pois favorecem a melhor utilização das articulações afetadas, sem oferecer risco de agravamento dos sintomas. Pesquisas identificaram melhora nos casos de pessoas com artrite reumatoide, além de reduzir dores de osteoartrite.

2. Saúde mental

A hidroginástica pode melhorar o humor. Pessoas com fibromialgia podem notar que os exercícios sob a água podem diminuir a ansiedade. A água morna pode diminuir o estresse, assim melhorando o humor e ainda reduzindo a possibilidade de depressão.

Os benefícios da hidroginástica para a saúde mente são importantes, principalmente, para crianças com deficiências de desenvolvimento, favorecendo assim a inserção no ciclo social, além de melhorar as relações familiares.

3. Velhice saudável

Os benefícios da hidroginástica podem ser interessantes para reduzir os sintomas e reações comuns no processo de pós-menopausa. Não só as mulheres, mas homens também podem desfrutar dessa contribuição dos exercícios na piscina, já que esses podem favorecer à saúde óssea.

4. Suporte à flutuação

Um dos principais benefícios da hidroginástica é que os exercícios fornecem flutuabilidade e suporte para o seu corpo, assim evitando a possibilidade de lesões sobre músculos, ossos e articulações. A água reduz até 80% de seu peso, o que causa menos pressão sobre as articulações, costas e torso, se a hidroginástica for comparada a exercícios realizados no solo.

5. Aumento de resistência muscular

Se compararmos a densidade da água com a densidade do ar, é possível destacarmos o aumento da resistência muscular. A hidroginástica pode agir sobre a região enfraquecida, contribuindo para que haja um melhor suporte para toda a massa muscular corporal. Os resultados dos exercícios feitos na água também são mais rápidos que aqueles realizados no solo.

6. Maior flexibilidade

O efeito da redução da força gravitacional enquanto estiver sob a água poderá conduzir a uma melhor flexibilidade do corpo. As articulações podem se mover de forma mais fácil através da ampla gama de movimentos realizados nas aulas, o que torna a hidroginástica ainda mais benéfica para idosos.

7. Melhora o sistema cardiovascular

Os exercícios de hidroginástica revelam-se extremamente benéficos em termos de condicionamento cardiovascular. Os exercícios beneficiam a frequência cardíaca, que é mantida a uma taxa inferior se comparados ao ciclismo ou corrida. Uma afirmativa um tanto quanto tendenciosa descreve que o coração parece funcionar melhor quando a pessoa está fazendo hidroginástica.

8. Queima calorias

Todos nós sabemos que os exercícios são a melhor opção para se livrar dos quilinhos a mais. No entanto, é importante que você saiba que a hidroginástica é muito eficaz para a perda de peso, pois praticar 1 hora pode reduzir de 450 a 700 calorias, sendo uma das alternativas para você eliminar os quilinhos extras.

9. Gestação segura

Os benefícios da hidroginástica também chegam às gestantes e bebês. Os movimentos feitos na piscina favorecem a liberação do hormônio relaxina, que marca presença nas articulações, e ainda pode auxiliar para uma melhor abertura do quadril, o que contribui para uma melhor passagem do bebê.

As gestantes ainda podem contar com a diminuição de edemas, que surgem com frequência no terceiro trimestre da gestação, devido ao aumento do feto, que pode comprometer da circulação do sangue, já que as artérias ficam mais comprimidas. A hidroginástica favorece o bom funcionamento do sistema circulatório de modo geral.

10. Apoio à recuperação

Algumas pessoas lidam com desconfortos ou adiam o retorno à prática de exercícios físicos após a realização de procedimentos cirúrgicos. A hidroginástica é a opção perfeita para aqueles que desejam retornar às atividades e não querem prejudicar o período de recuperação. As aulas podem auxiliar e fortalecer as articulações de joelhos, coluna, e ainda melhorar a sua postura.

11. Maior interação

Contrariando muitas afirmativas, a hidroginástica não é praticada apenas por idosos. As aulas consistem em exercícios individuais, em duplas, ou grupais, o que favorece as relações sociais. A interação necessária pode reduzir desconfortos resultantes da timidez, a qual pode dificultar a sua inserção social, e ainda tornar você uma pessoa menos inibida.

Esse benefício pode não só ser interessante para ser desfrutado durante os exercícios, como também pode ser levado como aprendizado para sua vida pessoal e até mesmo profissional.

12. Relaxamento

Diferenciando-se das badalações de academia cheia, música alta e grande esforço para levantamento de pesos, a hidroginástica é o exercício que pode ser escolhido não só para você entrar em forma, mas também para relaxar.

As atividades feitas na água exigem concentração, calma e controle de respiração, e esses momentos podem proporcionar relaxamento e descanso para sua mente se desligar dos problemas do cotidiano, podendo renovar as suas energias para mais desafios.

13. Tonifica músculos

Não pense que os benefícios da hidroginástica tangem apenas as funções cardiorrespiratórias e circulatórias, muito pelo contrário. Talvez essa seja a dúvida de muitas pessoas, mas não pense que você deve optar pela prática de apenas uma modalidade de exercício. As academias disponibilizam aulas de hidroginástica com dias alternados, ou seja, você poderá permanecer praticando musculação ou qualquer outro esporte junto a esses exercícios dentro d’água.

A hidroginástica pode favorecer a saúde dos músculos, ou seja, se você se dedica para uma melhor definição e hipertrofia, as atividades na piscina ainda poderão tonificar os seus músculos, então beneficiando também a saúde da massa muscular adquirida com dieta e treinos de levantamento de peso.

GINÁSTICA LOCALIZADA

A ginástica localizada é uma forma de exercício que consiste em uma variedade de movimentos simples, muitas vezes rítmicos, geralmente feitos sem o uso de equipamentos. Eles são destinados a aumentar a força e a flexibilidade corporal com movimentos como flexões e saltos usando apenas do peso do corpo.

Existe um mito de que a ginástica localizada é voltada apenas para as mulheres. Os homens costumam se sentir incomodados com as posições usadas para realizar os exercícios voltados para o fortalecimento dos glúteos.Entretanto, a ginástica localizada não é realizada apenas com esse tipo de exercício, há movimentos para fortalecer outras áreas do corpo, que podem ser muito benéficos também para os homens.

Benefícios

Geralmente, uma aula de ginástica localizada dura cerca de uma hora, tempo suficiente para queimar por volta de 500 calorias, além de beneficiar o condicionamento cardiovascular, fortalecer os músculos, melhorar as habilidades psicomotoras, tais como agilidade, equilíbrio e coordenação, aumentar a capacidade cardiorrespiratória e proporcionar a boa forma. Trata-se de uma atividade que proporciona a quem pratica uma melhora na saúde, estética, beleza, autoestima, bem-estar e disposição.

Uma boa dica é evitar trabalhar o mesmo grupo muscular em dias seguidos, por exemplo, se você exercitou as pernas hoje não é bom realizar os mesmo exercícios no dia seguinte.

Redução da Gordura Localizada

A gordura localizada é considerada uma vilã do corpo feminino, afinal, é bastante desagradável ter pneuzinhos em áreas como abdômen, costas e braços. O excesso de gordura, juntamente com os hormônios no corpo, faz com que haja a formação de depósitos de gordura em áreas específicas.

Nas mulheres, é bastante comum o acúmulo de gordura localizada na barriga e também nos quadris, o chamado culote. Já nos homens, esse excesso ocorre com maior facilidade no abdome, a chamada “barriguinha de chopp”.

O fato é que nem os homens e nem as mulheres que se preocupam com a sua aparência estão satisfeitos e buscam formas de amenizar esse problema. Pensando pela lógica, nada melhor do que exercitar a área do corpo em que a gordura está localizada. Entretanto, a eficiência da ginástica localizada para esse fim ainda causa divergências. O ideal é que você consulte um profissional, personal trainer ou preparador físico, da sua confiança para que ele indique o que é melhor para o seu caso.


Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)


Fonte: http://www.mundoboaforma.com.br/

sábado, 21 de janeiro de 2017

GREVE NACIONAL DA EDUCAÇÃO INICIA EM 15 DE MARÇO


Piso dos professores tem reajuste de 7,64% e vai para R$ 2.298

Ministro Mendonça Filho disse que o reajuste é acima da inflação, “cumprindo a legislação. É algo importante porque significa a valorização do professor”        José Cruz/Agência Brasil
O piso salarial dos professores em 2017 terá um reajuste de 7,64%. Com isso, o menor salário a ser pago a professores da educação básica da rede pública deve passar dos atuais R$ 2.135,64 para R$ 2.298,80. O anúncio foi feito hoje (12) pelo Ministério da Educação (MEC).

O piso salarial dos docentes é reajustado anualmente, seguindo as regras da Lei 11.738/2008, a chamada Lei do Piso, que define o mínimo a ser pago a profissionais em início de carreira, com formação de nível médio e carga horária de 40 horas semanais.

O ajuste deste ano é menor que o do ano passado, que foi de 11,36%. O valor representa um aumento real, acima da inflação de 2016, que fechou em 6,29%. O novo valor começa a valer a partir deste mês.

"Significa um reajuste acima da inflação, cumprindo a legislação", disse o ministro da Educação, Mendonça Filho. "É algo importante porque significa, na prática, a valorização do papel do professor, que é central na garantia de uma boa qualidade da educação. Não se pode ter uma educação de qualidade se não tivermos professores bem remunerados e motivados", acrescenta.

Saiba Mais

A lei vincula o aumento à variação ocorrida no valor anual mínimo por aluno definido no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Pela lei, os demais níveis da carreira não recebem necessariamente o mesmo aumento, o que é negociado em cada unidade federativa.

Aumento de R$ 5,083 bilhões nos gastos municipais

Em um cenário de crise, o reajuste preocupa estados e municípios. Estudo divulgado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) mostra que o reajuste do piso salarial dos professores vai gerar um aumento de R$ 5,083 bilhões nos gastos municipais.

De acordo com a CNM, de 2009 a 2016 os gastos com a folha de magistério tiveram uma expansão de R$ 41,829 bilhões. O valor já cresceu 241,9%, muito acima da inflação relativa ao período e maior do que o próprio aumento das receitas do Fundeb.

O Fundeb é formado, na quase totalidade, por recursos provenientes dos impostos e transferências dos estados, Distrito Federal e municípios, vinculados à educação. Além desses recursos, ainda compõe o Fundeb, a título de complementação, uma parcela de recursos federais. Pelo menos 60% desses recursos devem ser destinados a pagamento de pessoal.

Segundo a CNM, atualmente, os municípios comprometem, em média, 78,4% dos recursos do Fundeb apenas com a folha de pagamento desses profissionais, de acordo com dados do Sistema de Informação sobre Orçamentos Públicos em Educação (Siope).
Em 2015, mais de 70 Municípios já comprometiam 100% desses recursos.

O ministro da Educação ressaltou que, ao final do ano passado, o governo antecipou o repasse de R$ 1,25 bilhão do Fundeb. "O pagamento foi honrado ainda dentro do exercício de 2016, o que não ocorria. O prazo para que o repasse fosse feito é até abril do ano subsequente", disse.

Ele acrescenta que, em 2017, os repasses aos estados e municípios serão mensais, "o que vai totalizar R$ 1,3 bilhão e ajudará o fôlego dos estados e municípios e suas respectivas folhas", finalizou.

Menos da metade dos municípios declararam cumprir o piso dos professores em 2016

Lei do Piso está em vigor desde 2009, mas estados e municípios ainda encontram dificuldade para pagar o mínimoArquivo/Agência Brasil
Menos da metade dos municípios e 17 estados, além do Distrito Federal, declararam conseguir pagar em 2016 ao menos o mínimo estabelecido em lei aos professores de escolas públicas da educação básica de suas respectivas redes de ensino. Os dados são de um levantamento feito pelo Ministério da Educação (MEC). Em 2017, todos os entes terão que arcar com um valor ainda maior. O novo piso foi anunciado hoje (12) e o salário dos professores passa a ter que ser de pelo menos R$ 2.298,80 para uma jornada de 40 horas semanais, o que representa um reajuste de 7,64% em relação aos R$ 2.135,64 do ano passado.

O levantamento foi feito em novembro com base na declaração dos estados e municípios. Acre, Alagoas, Amapá, Distrito Federal, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins declararam cumprir o piso salarial dos professores, determinado em lei desde 2008. Amazonas, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Pará, Rio Grande do Sul e São Paulo não prestaram informações.

Já entre os municípios, 2.533, o equivalente a 44,9%, declararam cumprir o valor do piso. "Temos que enfrentar um problema concreto, precisamos melhorar o salário dos professores, valorizar os professores e, ao mesmo tempo, não há recursos suficientes para dar um reajuste acima da inflação. O reajuste agora é acima da inflação, cumprindo a lei, mas sabemos e
entendemos as dificuldades dos estados e municípios", diz a secretária-executiva da pasta, Maria Helena Guimarães de Castro.

Reajuste

O piso salarial dos docentes é reajustado anualmente, seguindo as regras da Lei 11.738/2008, a chamada Lei do Piso, que define o mínimo a ser pago a profissionais em início de carreira, com formação de nível médio e carga horária de 40 horas semanais. O valor para 2017 representa um aumento real, acima da inflação de 2016, que fechou em 6,29%. O reajuste começa a valer a partir deste mês.

Não há uma penalidade específica para o não cumprimento da Lei do Piso. Cabe aos Ministérios Públicos Estaduais, poderes legislativos locais e Tribunais de Contas Estaduais a fiscalização. O descumprimento pode resultar em um Termo de Ajuste de Conduta.

Mudanças

Saiba Mais

Todo os anos, prefeituras e governos estaduais apontam dificuldades no cumprimento do piso. Este ano, com a queda na arrecadação, a situação se intensificou. Tanto estados quanto municípios apontam para a necessidade da regulamentação da Lei do Piso e da mudança na fórmula usada para calcular os reajustes. A lei vincula o aumento à variação ocorrida no valor anual mínimo por aluno definido no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Uma das soluções seria regulamentar os repasses feitos pela União que, pela lei, deveria complementar o piso em locais onde não há caixa para cumprir o pagamento mínimo. "O complemento do piso nunca foi regulamentado, nenhum estado e nenhum município recebe recursos para complemento do piso salarial, para ajudar a garantir o piso", diz o presidente do Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed), Fred Amâncio. O ministro da Educação, Mendonça Filho, disse que não há previsão de repasses extras aos entes, mas que a questão poderá ser discutida no Congresso Nacional.

Neste ano, o governo federal fez alterações nos repasses do Fundeb, que é composto pela arrecadação dos estados e municípios e mais uma complementação da União. Até o ano passado, o repasse da União era feito em 14 parcelas que se estendiam até o ano seguinte. A partir de 2017, os repasses do complemento da União, destinado aos estados com mais dificuldades em garantir o investimento mínimo aos estudantes, serão feitos em 12 parcelas.

Segundo Mendonça Filho essa medida irá ajudar no cumprimento do piso salarial. Amâncio, no entanto, diz que ainda são necessários mais recursos. Uma vez que se tratam de recursos que os estados já receberiam, o presidente do Consed diz que a mudança "ajuda do ponto de vista de fluxo de caixa, mas não muda nada do ponto de vista da realidade do pagamento de salários".

O presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Alessio Costa Lima, também defende que é preciso rever a fórmula de cálculo do reajuste, que hoje "leva o gestor a uma situação que impossibilita fazer o pagamento", uma vez que cresce acima do aumento dos repasses do Fundeb, principal fonte para o pagamento dos salários.

Valorização dos professores

Para a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), as regras atuais devem ser mantidas e a educação deve ser priorizada. “Precisa de muita determinação e muito compromisso com a educação por parte dos gestores públicos para entender que não vai ter educação de qualidade se não tiver professores e funcionários trabalhando com um salário decente. O reajuste deve ocorrer mesmo com toda a crise que possa estar acontecendo”, defende o presidente da confederação, Roberto Franklin de Leão.

Em 2009, quando a Lei do Piso entrou em vigor, o pagamento mínimo para professores passou de R$ 950 para R$ 1.024,67, em 2010, e chegou a R$ 1.187,14 em 2011. No ano seguinte, o piso passou a ser R$ 1.451. Em 2013, subiu para R$ 1.567 e, em 2014, foi reajustado para R$ 1.697. Em 2015, o valor era R$ R$ 1.917,78. Na série histórica, o maior reajuste do piso foi registrado em 2012, com 22,22%. No ano passado, o reajuste foi de 11,36%.

Apesar do crescimento, atualmente os professores recebem o equivalente a 54,5% do salário das demais carreiras com escolaridade equivalente. A melhoria da remuneração dos professores faz parte do Plano Nacional de Educação (PNE), lei que prevê metas até 2024. Até 2020, os docentes terão que ter rendimento equiparado ao dos demais profissionais com escolaridade equivalente.

O Fórum Permanente para Acompanhamento da Atualização Progressiva do Valor do Piso Salarial Nacional, criado em 2015 com o objetivo de discutir formas mais sustentáveis de pagar os professores, reuniu-se hoje (12) pela primeira vez em 2017. O grupo, que conta com representantes do MEC, estados, municípios e trabalhadores, deverá, ao longo do ano, discutir mudanças para garantir os pagamentos.

Fonte: Agência Brasil

MEC divulga reajuste do piso salarial dos professores: valor está longe do ideal para a categoria

Na manhã desta quinta-feira (12/01), o presidente da CNTE, Roberto Leão, participou de encontro no Ministério da Educação (MEC), onde foi anunciado o reajuste de 7,64% no piso salarial dos professores. Com o aumento, o salário-base passa para R$ 2.298,80, em 2017.

Para Roberto Leão, mesmo com o anúncio do reajuste, as mobilizações continuam, pois o valor está longe do ideal para a categoria. “Existe muita controvérsia sobre o cumprimento do piso em todo o país. Cumprir a lei não é somente pagar o valor, mas todo o conjunto da lei”.

O piso salarial dos professores é obrigatório, porém vários estados e municípios descumprem a lei. Durante o evento, o MEC divulgou dados fornecidos pelas prefeituras. De acordo com o levantamento, apenas 44,9% dos municípios afirmam que respeitam o piso nacional dos professores.

Lei 11.738/2008

A lei que estabeleceu o piso salarial dos professores existe desde 2008 e vale para educadores da rede pública com carga horária de 40 horas semanais e formação de ensino médio. O valor é calculado com base no que é destinado por matrícula no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) dos dois últimos anos.

Os estados e municípios que não conseguirem arcar com o piso deverão contar com a complementação orçamentária da União. De acordo com a lei, o governo federal deve completar a integralização do valor do piso aos estados e municípios que comprovadamente tem dificuldades financeiras.

Fórum

Na reunião de hoje, a Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino (Sase) do MEC apresentou os integrantes do fórum permanente, que tem como objetivo acompanhar a atualização progressiva do valor do piso salarial nacional para os profissionais do magistério público da educação básica.

O fórum será integrado por representantes da Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino; do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep); do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), do Conselho Nacional de Secretários da Educação (Consed) e da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).

Fonte: CNTE

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

PRESIDENTE DO SINTEAC LAURO BENIGNO REÚNE COM SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESTUDANTES DO PARFOR


Na manhã desta segunda-feira (9), o vereador Lauro Benigno (PCdoB), que também é presidente do Sinteac – Núcleo de Tarauacá articulou uma reunião com líderes de sala das turmas do PARFOR (Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica) que atende mais de 180 alunos dos cursos Pedagogia e Letras. Esses estudantes em sua grande maioria são residentes na Zona Rural de Tarauacá e, durante os três primeiros meses do ano se deslocam até a cidade para cursar a Faculdade, tendo aulas nos turnos matutino e vespertino. 

O vereador solicitou do Secretário Municipal de Educação Professor Rosenir Arcênio as seguintes reivindicações:

1 - Reajuste na Bolsa de Estudos, que há anos está em R$ 600,00 (divididos em três parcelas de R$ 200,00, pagas em janeiro, fevereiro e março) para R$ 900,00, que também será dividido igualmente em três parcelas, sendo esta a única renda que tais estudantes recebem durante o período intenso de estudos. O líder sindical se comprometeu em articular junto aos colegas vereadores a aprovação do Projeto de Lei que trata de tal reajuste logo que seja enviado à Câmara Municipal;

2 – Apoio na realização da 3ª edição do Campeonato de Futsal organizado pelo Sinteac entre as turmas do PARFOR nos finais de semana, durante os três meses de estudos;

3 – Apoio no que se refere a hospedagem de alguns desses estudantes que não têm residência na cidade, nem se quer um parente que possa recebê-los, fato esse que já fez com que alguns alunos desistissem do sonho de concluir o Nível Superior.

O Vereador e os estudantes ficaram contentes com a recepção da SEME pelo Secretário Rosenir, o qual se comprometeu em apoiar a realização do Campeonato, assim como, no apoio aos estudantes que necessitam de um local para se hospedar, inclusive já está sendo realizado um levantamento da demanda e do local. Arcênio também garantiu que vai apresentar a proposta de reajuste na Bolsa à prefeita Marilete para que, em um curto espaço de tempo, o projeto seja enviado para a Câmara Municipal de vereadores.

Por fim, enfatizou que em breve retornará à secretaria com membros da diretoria do SINTEAC para juntos iniciarem as discussões de data base e PCCR.

Do Blog do Aderlândio