sexta-feira, 28 de abril de 2017

GREVE GERAL: TRABALHADORES DE TARAUACÁ REALIZAM ATO PÚBLICO CONTRA REFORMAS DA PREVIDÊNCIA E TRABALHISTA.


Aconteceu na manhã desta sexta-feira (28) mais uma manifestação em Tarauacá. Trabalhadores em geral realizaram um ato público pela não retirada de direitos trabalhistas, contra a Reforma da Previdência e Reforma Trabalhista e outras que afetam direta e indiretamente milhões de trabalhadores em todo Brasil.

Trabalhadores em educação, estudantes, servidores públicos, trabalhadores rurais e o povo em geral foram ás ruas dizer não a Reforma Trabalhista e a Reforma da Previdência.
O movimento foi organizado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre - SINTEAC, juntamente com o STR - Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Tarauacá. Ainda esteve presente a Câmara de Vereadores, representante dos servidores da saúde, do IFAC e de diversos segmentos organizados da sociedade.

"A grande verdade é que o governo de Michel Temer não tem coragem de peitar o empresariado e, desta forma passa a conta para o povão pagar. Porque não cobra as mais de 500 empresas que devem um total de R$ 426 bilhões ao INSS, quase três vezes mais que o total do déficit da Previdência em 2016, que foi de R$ 149,7 bilhões? Porque o Governo Temer perdoou uma dívida de R$ 100 bilhões às teles e empresas como Rede Globo, SBT, Bandeirantes e outras, já que existe um “rombo na previdência”, destacou o vice-presidente Eurico Paz.

Em sua fala o presidente do Sinteac e Vereador Lauro Benigno salientou a importância da manifestação através do ato público. “Nosso ato foi um sucesso! Mais uma vez o povo de Tarauacá deu exemplo de democracia e cidadania, participando desta importante manifestação. Os 11 vereadores do município já se comprometeram e inclusive assinaram o documento se posicionando contra a Reforma da Previdência, faltando apenas à manifestação pública do Executivo. Agradeço mais uma vez aos trabalhadores em educação, estudantes e trabalhadores de outras categorias pela participação do nosso movimento em defesa do povo e a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros que acompanharam o movimento para garantir a segurança dos manifestantes. Contudo, não podemos parar por aqui e ficaremos atentos, pois a qualquer momento estaremos realizando outros movimentos para defender nossos direitos,” finalizou o presidente Lauro Benigno.





















 





















ESTAMOS EM GREVE!!!


Milhões de trabalhadores não vão ao trabalho nesta sexta-feira em protesto contra um governo que, por meio de um golpe parlamentar/judicial/midiático, retira direitos e conquistas sociais que vigoram há mais de 70 anos no país

A Greve Geral anunciada para esta sexta-feira (28/04) no Brasil traz em si um ineditismo revigorante para o momento por qual passa o país. Depois do golpe político do ano de 2016, que tirou uma presidenta eleita democraticamente do poder para restaurar no governo central brasileiro um projeto político que foi sucessivamente derrotado nas urnas por quatro vezes consecutivas em eleições diretas. A sociedade brasileira, de forma geral, promove um movimento de greve que traz elementos inéditos na recente história política do país.

Em primeiro lugar, a Greve Geral convocada para esta sexta-feira é resultado de um chamamento unificado de todas as centrais sindicais de trabalhadores, inclusive aquelas que, de forma tácita, apoiaram o afastamento da presidenta Dilma Rousseff em 2016. Há tempos não se via um movimento de greve no país que, coincidentemente, marcará o aniversário de cem anos da primeira greve deflagrada no Brasil, ainda no longínquo ano de 1917, que está a mobilizar tantos setores sociais e pouco habituais ao próprio exercício da greve.

Os setores mais organizados sindicalmente deram, de fato, o pontapé inicial desse movimento, que começou a ser organizado a partir de reuniões com todas as centrais sindicais de trabalhadores: metalúrgicos, bancários, professores e tantos outros setores sociais da organização sindical de trabalhadores foram a vanguarda desse movimento que culminará nesse grande dia de Greve Geral. A novidade, agora, fica por conta do envolvimento de tantos outros setores que, por não terem histórico de luta social, surpreendem a todos com uma forte mobilização para o dia 28 de abril.

Setores que historicamente padecem de fraca estrutura sindical e de mobilização em decorrência mesmo de suas próprias atividades econômicas estão agora envolvidos na que promete ser a maior Greve Geral dos Trabalhadores ocorrida no Brasil. Todo essa mobilização social que tomou conta do país se justifica em grande medida pela impopularidade de um governo que, para além de ter tomado o poder de assalto, sofre uma rejeição histórica no país: as última pesquisas apontam que somente 4% da população brasileira aprovam o ilegítimo governo Temer contra um contingente de 92% da população que veem o país no rumo errado. 

Toda a impopularidade desse governo golpista reforça uma rejeição a ele que ultrapassa os setores clássicos da esquerda brasileira, chegando agora a segmentos sociais que sempre foram avessos aos movimentos paredistas. Isso se dá, sem dúvida, porque o Brasil vive hoje um governo que se notabiliza por, em muito pouco tempo de poder, destruir de forma acintosa os alicerces das políticas sociais brasileiras: a Reforma Trabalhista, aprovada no último dia 26 de abril, às vésperas da Greve Geral, destrói conquistas de proteção social do trabalhador que vigoram no país desde o ano de 1943; a Reforma da Previdência, um dos principais motes dessa mobilização, pretende jogar a aposentadoria do povo brasileiro nas mãos do setor privado de seguridade social, beneficiando os bancos e os grandes fundos de pensão, destruindo a Previdência Pública brasileira que vigora há mais de 40 anos; a sanha privatista desse governo golpista entrega, dia após dia, as maiores riquezas nacionais do país, como o petróleo, favorecendo grandes grupos econômicos mundiais.

E todo esse cenário de destruição de direitos sociais e aniquilamento das políticas públicas voltadas às parcelas mais pobres da sociedade se conjuga com um governo tomado por corruptos e lacaios, desnudados cotidianamente por investigações policiais no país. Todos começam a perceber que, em nome do combate à corrupção que afastou do poder uma presidenta honesta, o que se tem vivido no Brasil é o retorno mais radical do neoliberalismo da década de 90, período em que a corrupção e a impunidade reinavam no país. Isso porque os mecanismos de combate à corrupção foram fortemente desenvolvidos no Brasil no último período de 15 anos.


O Brasil, um país de tamanho continental, viverá fortes mobilizações nesse dia 28 de abril e, certamente, marcará a derrocada desse governo golpista e usurpador dos direitos do povo e das riquezas do país. Todo apoio ao povo brasileiro nessa jornada de lutas que se inicia agora e promete parar o país nesse dia! Como ficou famoso o bordão do ano de 2016, quando do afastamento da presidenta Dilma Rousseff: golpistas não passarão!!

fonte: CNTE

quarta-feira, 26 de abril de 2017

GREVE GERAL 28/04 SEXTA.


O SINTEAC convoca todos os trabalhadores em educação e a população em geral para aderir à GREVE GERAL, que acontecerá em todo o país, nesta sexta-feira (28). Em Tarauacá será organizando um ato público pela manhã em frente a Câmara Municipal, a partir das 8h.

O movimento está sendo organizado por centrais sindicais, sindicatos e movimentos sociais em todo o Brasil contra os retrocessos representados principalmente pelas reformas previdenciária e trabalhista e terceirização irrestrita, que retiram inúmeros direitos dos trabalhadores. Várias categorias suspenderão suas atividades e participarão das manifestações.

Só os trabalhadores na rua poderão evitar o desmonte da previdência e o ataque aos direitos trabalhistas. VAMOS À LUTA!

terça-feira, 18 de abril de 2017

REPRESENTANTE DO SINTEAC PARTICIPA DA COMISSÃO DE ANÁLISE CURRICULAR DO CONCURSO N°002/2017.


Após participação da analise curricular do concurso N°003/2017 direcionado aos professores da zona rural. Iniciou-se também na manhã desta terça-feira (18), a análise curricular dos inscritos no processo seletivo simplificado N°002/2017para provimento de vagas temporárias nas varias secretarias municipais.

A equipe é composta por representantes do executivo municipal, setor público, poder legislativo e sindicatos, este ultimo representado pelo sindicalista João Maciel representando o Sinteac e Marnilsa Martins representante do Simtar.

Observe: este se trata do concurso de N°002/2017. Concurso esse que teve seu resultado nulo após diversos problemas acarretando inclusive o pedido de suspensão do mesmo pelo o Ministério Publico.